Espiritualidade e Autodesenvolvimento

 

O que tem mais importância a razão ou a fé? Esta é uma pergunta que muitos de nós nos fazemos e muitos ainda o farão. Mas, de minha parte sinto que existe certa aproximação e curiosidade tanto de um lado como de outro. Fé e Razão parecem de alguma maneira, estarem se conhecendo e começando a perceber o quanto cada uma tem em si a mesma necessidade: tornar a vida mais fácil, mais plena e mais emocionante. Pois a vida se trata de momentos, nada é fixo e imutável.
A Razão reclama para si que tudo deve ter uma explicação, uma lógica, tudo pode ser analisado, medido, mensurado e calculado. Nas abordagens que tratam da natureza humana, experiências super controladas são feitas tentando mensurar se algo é bom ou não, se tem efeito ou se é um “placebo” Indivíduos são contados, testes são feitos sob o mais rigoroso sistema e se o efeito não se aplica com sucesso para certo número de indivíduos o processo é descartado.
A espiritualidade por sua vez, na maior parte das vezes, exige requer uma fé cega aos seus ensinamentos, nada de questionamentos, exames mais profundos ou testes. Prega dogmas que devem ser respeitados ou teremos a “danação eterna” ou a diminuição de bênçãos em nossas vidas.
 
Vem a minha mente a história de Sidharta o Budha, que estava na floresta a mais de seis anos meditando e expondo o corpo às provações mais duras, como fome e sede. Em um rio próximo um barco passa com um professor e seu aluno. O professor está ensinando-0 sobre um instrumento de corda e explica:
 
- Se puxar demais a corda ela arrebenta, se soltar demais ele não tocará!
 
A conciliação entre ciência e religião é uma tendência crescente nesta era de aquário que pede o novo e a transcendência do ser humano e sua evolução. Pretendo com meu trabalho integrar estes opostos com equilíbrio, para ajudar a mim mesma e as pessoas que me procuram na superação dos seus desafios.
 

 

 

 

 

Deixe uma resposta